Taça Regional Estrada

Regulamento 2017

Introdução

A Taça Regional do Porto de Estrada rege-se pelos Estatutos, Regulamentos e normas da UCI, da UVP – Federação Portuguesa de Ciclismo e da ACP – Associação de Ciclismo do Porto, entre os quais o Regulamento Geral das Atividades Desportivas da ACP, sendo o colégio de comissários a única entidade responsável pela aplicação do mesmo.

Ao formalizarem a pré-inscrição ou inscrição e ao apresentarem-se para participar nas atividades desportivas, os participantes declaram que conhecem e aceitam os referidos regulamentos, assim como aceitam as adendas e esclarecimentos que venham a ser publicados pela organização.

2 – Categorias e corridas

Categoria (M/F) Idade Tipo de prova
Pupilos e Benjamins 5-8 anos Gincana (duas mangas)
Iniciados 9-10 anos Gincana + prova em linha (4 a 6Km)
Infantis 11-12 anos Gincana + prova em linha (6 a 10 Km)
Juvenis 13-14 anos Prova em linha (20 a 30 Km.)
Cadetes 15-16 anos Prova em linha
Juniores 17-18 anos Prova em linha

Todas as provas de estrada, inscritas no calendário Regional da ACP, pontuam para

a taça Regional do Porto de Estrada.

As concorrentes Cadetes Femininas estarão autorizadas a participar nas provas de

Juvenis, mas com classificação separada.

2.1. Caraterísticas das provas

2.3.1   – Prova de Destreza – Pupilos e Benjamins, Iniciados e Infantis

2.1.1.1.           O   percurso,   com  diversos   obstáculos,   deverá   ter   um comprimento mínimo de 80 metros, sempre que possível a largura de 3 metros, e ser devidamente delimitado e sinalizado.

2.1.1.2.           O  grau  de  dificuldade  do  percurso  deve  ser  adequado  à categoria a que se destina, para que todos os obstáculos possam ser contornados ou ultrapassados pela maioria dos concorrentes.

2.1.1.3.           Os concorrentes são obrigados a cumprir todo o percurso.

2.1.1.4.          A Destreza pode ser efetuada por dois concorrentes em simultâneo, caso o Comissário verifique que tem condições para mandar avançar o segundo concorrente. Se por algum motivo os concorrentes se juntarem dará direito a que no final os dois concorrentes repitam a Gincana (para que nenhum seja prejudicado).

2.1.1.5.           Se o concorrente quando está a fazer a Destreza encontrar um obstáculo fora do local ou derrubado deverá repetir no final.

2.1.1.6.           Em todas as provas o número mínimo de obstáculos é de oito.

2.2.2 – Prova em Linha – Iniciados, Infantis e Juvenis

2.2.2.1 – Nas provas em linha de Iniciados (Masc./Fem), Infantis (Masc./Fem.) e Juvenis (Masc./Fem.) não é permitido qualquer tipo de abastecimento durante a prova, quer dado por directores, treinadores e/ou familiares. A infração a esta norma dá um minuto de penalização ao concorrente.

2.2.2.2 – Quando o número de atletas inscritos em cada categoria for elevado e o percurso não comportar tantos atletas, poderá ter de se recorrer a duas mangas (Dorsais pares e ímpares) para apuramento de uma final. Os atletas que não passem á final serão colocados na classificação geral no lugar seguinte á mesma, pela ordem dos tempos realizados nas mangas de apuramento.

2.4 – Penalizações

2.4.1   –  Prova  de  Destreza  –  Pupilos  e  Benjamins,  Iniciados  e  Infantis

2.3.1.1  –  Passagem  deliberada  ao  lado  de  um obstáculo  será penalizada com a desclassificação ao último lugar da prova de destreza (manga), acrescido de 1 minuto de penalização.

2.4.1.2 –  Treinar  no  percurso  depois  do  início  da  prova  será penalizado com 30 segundos.

2.4.1.3 – Nos obstáculos “Bidão” e “Bandeira” existem as seguintes penalizações:  pastedGraphic.png Concorrente  não  apanha  o  obstáculo, penaliza 20” e segue para o obstáculo seguinte;

 Concorrente apanha o obstáculo mas não o coloca no devido lugar,

penaliza 10” e segue para o obstáculo seguinte.

2.4.1.4 –  Cada  falta  a  seguir  indicada  será  penalizada  com  10 segundos (penalizar o número de vezes que for cometida a falta):

 pista;

obstáculo até ao fim);

pastedGraphic_1.png

penalização, mas penalizar cada vez que acontece).

2.4.1.5 – Mesmo que um concorrente penalize num obstáculo tem de o cumprir até ao fim, exceto no caso do bidão e da bandeira  que  segue  o  procedimento  indicado  no  artigo

2.3.1.3.  O  concorrente  que  tenha  tido  dificuldade  em colocar a bandeira pode voltar a trás e tentar de novo.

2.5 Avaria

2.5.1 Na prova de Destreza a avaria devidamente comprovada pelos comissários dará direito a uma repetição integral do percurso, após todos os concorrentes terem completado a prova (manga).

2. 4.2– Caso a bicicleta que fez a a Destreza fique inoperacional por avaria grave o atleta poderá efetuar a prova em linha com uma outra mas com o mesmo diâmetro de roda.

2.5 – Classificações/Bonificações

2.5.1 – Prova de Destreza

2.5.1.1 – Os concorrentes serão classificados em função do tempo gasto em efetuar o percurso, acrescido do tempo das penalizações. Os tempos são tomados até ao centésimo de segundo.

2.5.1.2 – Categoria de Pupilos e Benjamins – O concorrente que não registar nenhuma penalização (percurso limpo) tem 10 segundos de Bonificação que será subtraído ao tempo da respectiva manga.

2.5.1.3 – As bonificações não se aplicam na Categoria de Iniciados e

Infantis.

2.5.1.4 –  Será  vencedor  quem  efetuar  menos  tempo  depois  de somadas as penalizações, se as houver.

2.5.1.5 – Quando se realizarem duas mangas a classificação será determinada pelo melhor tempo das duas mangas. Em caso de   empate,   o   desempate   far-se-á   através  do   melhor resultado da outra manga.

3 – Inscrições

3.1 –  As  inscrições  devem  ser  efetuadas  diretamente  através  do  sistema  de inscrições online disponibilizado no web-site da UVP-FPC (www.uvp-fpc.pt) até às 24 horas da Quintafeira anterior à realização da prova.

3.2 – A confirmação das inscrições, verificação de licenças e autorizações por parte do Colégio de comissários, decorre no secretariado da prova até trinta minutos antes do início da primeira corrida.

3.3 – A reunião dos diretores desportivos ocorre após a confirmação das inscrições.

4 – A atribuição dos dorsais

Salvo disposição em contrário, os dorsais serão os atribuídos pela UVP-FPC.

5 – Grelha de partida

A chamada para a grelha de partida da primeira prova em linha é feito de acordo com o previsto no regulamento da UVP – FPC para o ciclismo de iniciação.

Nas provas seguintes será feita de acordo com a classificação geral da Taça Regional da

ACP. Os atletas que não estejam classificados serão chamados segundo o primeiro critério.

6 – Classificações da Taça Regional

•         Classificações individuais por prova

• Será efetuada uma classificação por categoria em cada prova, conforme tabela de categorias do ponto 2.

•         Em  caso  de  empate  na  categoria  de  escolas,  será  utilizado  o  previsto  no

Regulamento no Ciclismo de iniciação da UVP-FPC.

•         Em cada prova serão atribuídos os seguintes pontos para a classificação geral da

Taça Regional ACP:

Classificação 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º
Pontos 15 12 10 8 6 5 4 3 2 1

7 – Classificação geral final individual

A classificação final da Taça Regional ACP será definida pelo somatório dos pontos obtidos em cada prova.

Em caso de igualdade de pontuação os corredores serão desempatados em função do maior número de primeiros lugares, segundos lugares e assim sucessivamente. Se ainda assim, se mantiver o empate, será o melhor classificado na última prova disputada.

8 – Classificação por equipas

•         Haverá uma classificação por equipas por prova.

• A classificação geral por equipas será estabelecida para todas as escolas sendo ordenadas nos primeiros lugares as que participem com as quatro categorias: Pupilos e Benjamins, Iniciados, Infantis e Juvenis, a seguir as que tiverem três categorias, depois as que tiverem duas e por último as que tiverem uma categoria.

• Para a classificação por equipas contarão apenas as categorias em que estejam presentes no mínimo cinco (5) corredores classificados.

• A  classificação  geral  por  equipas  será  estabelecida  pelo  somatório  dos  pontos obtidos nas provas realizadas pelos quatro corredores mais bem classificados de cada escola, mas terá de contemplar um concorrente de cada categoria (M ou F) e conforme a alínea anterior.

• Em caso de empate, o desempate far-se-á a favor da Escola que tenha obtido melhor classificação no escalão de Pupilos e Benjamins em primeiro lugar.

• Nas restantes categorias, a classificação por equipas obtém-se somando os tempos dos três primeiros corredores de cada equipa, sendo melhor classificada a que obtiver menor tempo. Em caso de empate, beneficiará a equipa que na soma dos lugares  dos  três  corredores  totalizar  maior  número  de  pontos.  Se  o  empate, persistir, será beneficiada a equipa que tenha o corredor melhor classificado na prova.

•         A tabela de pontuação das equipas será igual á tabela de pontuação dos corredores.

9 – Classificação geral final da Taça Regional ACP por equipas

• A classificação geral por equipas, será definida pelo somatório dos pontos obtidos em cada uma das provas da Taça Regional das ACPorto.

• Em caso de empate, beneficia a equipa com maior número de primeiros lugares da equipa, maior número de segundos lugares e assim sucessivamente. Se o empate persistir, beneficia a equipa mais bem classificada na última prova da Taça Regional da ACPorto.

10 – Prémios / Cerimónias protocolares e líder

10.1   – No final de cada prova será atribuido um troféu aos três primeiros classificados individuais na prova e ás três primeiras equipas de cada categoria.

10.2 – Os corredores presentes nas cerimónias protocolares, devem obrigatoriamente apresentar-se no pódio devidamente equipados com a camisola do clube e sem óculos escuros.

10.3    –  Todo  o  corredor  /  equipa  que  tenha  um  comportamento  incorreto durante a cerimónia protocolar, perde o direito aos prémios e aos pontos conquistados durante a prova.

11 – Ordem dos carros de apoio

Se o trajeto escolhido justificar carros de apoio, a ordem dos carros na primeira prova será determinada por sorteio. Nas restantes provas, a ordem será de acordo com a classificação geral individual da Taça Regional. Se o trajeto não permitir carros de apoio das equipas, poderão ser utilizados carros de apoio neutro.

12 – Antidopagem

O regulamento antidopagem da UVP-FPC aplica-se integralmente nesta Taça. O local da realização do controlo anti-dopagem será definido por regulamento próprio para cada prova.

13 – Quilometragem

Quilometragem adequada a ser aprovada pela ACPorto (C/Relógio 20km e Provas em

Linha com mínimo 100km e máximo 140km)

14 – Penalidades

Aplicação exclusiva da tabela de penalidades do regulamento da UVP-FPC.

15- Casos Omissos

A todos os casos omissos neste regulamento será considerado o regulamento da UVP-FPC.

Associação de Ciclismo do Porto